ATENÇÃO!!!

Em abril/2014 meu blog passou por uma reformulação, e desde então mudei não só de nome... Agora Episódios Comentados por Dan Artimos é conteúdo do Mundo Blá! Porque de Blá a gente entende!

Clique aqui e continue lendo os meus comentários.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

The Big Bang Theory | S02E15 - The Maternal Capacitance

The Big Bang Theory
Série: The Big Bang Theory
Episódio: The Maternal Capacitance
Temporada:
Número do Episódio: 32 (2x15)
Emissora: CBS

Impossível não começar este episódio de "The Big Bang Theory" sem quase mijar de rir, pois Sheldon, Raj e Howard jogam um game de banda ("Rock Band"), mas são interrompidos por Penny, que entra muito sem graça.

PENNY:
- Garotos, por favor...
HOWARD:
- Querida. Ei! Vamos lá. Só estamos procurando o nosso som.
PENNY:
- Vocês encontraram. É o som de um gato sendo atropelado por um cortador de grama.

Leonard entra chateado ao telefone e Sheldon tenta supor o motivo dele estar tão pra baixo e ele acha que o amigo tem um exame de colonoscopia, mas assim que desliga o telefone ele conta que é sua mãe quem vem visitá-lo. Howard confirma que Sheldon estava certo e que será como se fizessem o exame.

Alguns dias depois, Penny tem uma conversa um pouco constrangedora com uma mulher sobre o elevador do prédio que não funciona e logo ela descobre que a tal mulher é a mãe de Leonard, a Dra. Beverly Hofstadter. As duas conversam sobre a fase dos cinco anos de Leonard, época em que estava desenvolvendo o seu sexo e ficava apertando o seu pênis, então Penny diz que Beverly é psicóloga, mas ela diz que esse é apenas um dos campos que estuda dentro da neurociência. Penny conta que é atriz e Beverly quer saber o motivo e ela diz que é o que quer, mas a Dra. Insiste que artes cênicas é para pessoas que buscam aceitação.

Depois de mais alguns lances de escada, vemos Penny chorando e contando que sabe que seu pai queria um menino. Penny bate chorando na porta de Leonard e o déia com sua mãe.

BEVERLY:
- Se quiser transar com ela, descubra a colônia que o pai dela usa.

Depois de perder muito tempo fazer o chá favorito da mãe, que envolve muitos passos, desde aquecer os sacos de chá separados, Leonard é obrigado a refazer tudo, pois ele está frio. Sheldon e Beverly tem uma sincronia perfeita, tanto que ele se interessa pela vida sexual da mãe de Leonard depois de descobrir que ela e o marido só transam por motivos reprodutivos e ainda escrevem artigos sobre isso.

LEONARD:
- Sobre o que estão conversando?
SHELDON:
- A freqüência com que seus pais faziam sexo.
LEONARD:
- Bem, se estiver com sorte ela te mostra a apresentação em PowerPoint.
BEVERLY:
- Me desculpe, está no meu outro laptop.

Leonard tenta ter uma conversa com sua mãe, mas ela é seca e direta, o que faz Sheldon a achar uma pessoa adorável. Os dois então discutem sobre o pesadelo que foi a infância de ambos, enquanto Sheldon tinha uma mãe carinhosa e protetora, Leonard tinha critica e avaliativa, pois ela até colocava eletrodos em sua cabeça enquanto ele aprendia a usar o penico, o que causa inveja em Sheldon.

No refeitório da universidade, Howard faz de tudo para deixar Leonard desconfortável, pois faz Beverly falar de seus outros filhos, um que é professor de Direito em Harvard e outro que reproduziu um pâncreas humano em um gibão adolescente, mas quando ele pergunta se ela está orgulhosa disso, ela diz que não, pois não são feitos dela.

Leonard pede para eles pararem de zombarem dele e o ajudar, mas Raj e Howard se negam, então assim que Beverly retorna ele conta os problemas dos dois amigos para a mãe, que faz uma análise de ambos e diz que eles criaram essa espécie de casamento homossexual para satisfazer a necessidade de intimidade, já que têm medo de se relacionar com outras mulheres.

Beverly força Leonard a ir mostrar o laboratório, pois já deu o horário, mas ela fica irritada ao descobrir que o filho está refazendo um estudo de italianos, pois se ela quisesse era mais fácil simplesmente ler o artigo original. Depois que saem, Raj e Howard discutem a relação deles como um verdadeiro casal.

Mais tarde, Leonard vai até o apartamento de Penny atrás de alguma bebida alcoólica, pois não agüenta mais sua mãe. Ele e Penny tentam enteder o que faz Beverly ser assim, mas não vão muito longe, ele só pede para ela não deixar o que Beverly dise mexer na cabeça dela, já a própria é o parquinho da mãe. Penny conta que esteve em um teste de anti-depressivo, mas que perdeu o papel por ser muito enérgica.

LEONARD:
- Já que tocou no assunto de não ter o amor de seus pais, sabe o que fazia quando era pequeno pra ter alguma sensação de contato humano?
PENNY:
- Sim. Você agarrava seu pênis e não largava mais. Sua mãe me disse...
LEONARD:
- Claro que ela disse, mas não era o que ia falar. Quando tinha 10 anos construí uma máquina de abraços.
PENNY:
- Máquina de abraços?
LEONARD:
- É. Peguei um manequim de costureira, recheei com um cobertor elétrico, pra que ficasse quente, e coloquei dois braços controlados por controle remoto. Para que pudessem me abraçar e bater em minhas costas.
PENNY:
- Isso é tão triste.
LEONARD:
- Mas sabe o que é realmente triste?
PENNY:
- O que?
LEONARD:
- Meu pai pegava ele de mim.

Beverly e Sheldon voltam do hospital com a tomografia do cérebro dele, mas ele reclama do tamanho do lóbulo direito e ela diz que é uma reclamação normal dos homens, pois nunca estão satisfeito com o tamanho das coisas. Beverly nota que Sheldon tem uma necessidade de ser bajulado, e ele diz que é o problema de ficar muito perto de Leonard e ela aceita as desculpas dele.

Beverly e Sheldon finalmente entendem que se completam, pois sentem-se muito bem na presença um do outro, e ele acha estranho que isso aconteça com a ligação de alguém tão trivial como o filho dela.

Leonard e Penny enchem a cara com tequila e o mais engraçado é que eles usam o corpo um do outro como apoio. Quando ele tem de tirar o sal do pescoço de Penny, tomar uma dose e morder um limão, Leonard se esquece de tudo e fica no pescoço e ela o lembra do restante. Leonard toma a dose e procura pelo limão que Penny segura com a boca e os dois se beijam e ele joga o limão fora.

Sheldon conversa com Beverly e o teor parece sobre como tentarão ficar juntos e fazer Leonard aceitar aquilo, mas até mesmo Beverly está tentada e os dois dão risadas contidas quando contam que um entende o outro.

Penny e Leonard se atracam na cama, mas Leonard fala demais e Penny fica irritada, pois não queria ouvir sobre as teorias de Beverly sobre o que estão prestes a fazer. Penny fica irritada quando ele diz que aquilo de acordo com Beverly é ele fazendo sexo com a mãe e Penny com o pai, então ela o expulsa de seu apartamento.


Leonard chega em seu apartamento e encontra sua mãe jogando Rock Band com Sheldon com coreografia e tudo mais.

No dia seguinte Leonard se despede da mãe que nem o abraça direito. Penny sai para ir trabalhar tenta conversar com Leonard, mas ele prefere esquecer o ocorrido. Descendo as escadas com Beverly, Penny novamente sai aos prantos lembrando do relacionamento de seus pais com ela.

Episódio nota 8,5, mas é pela falta de carisma que sinto pelo personagem de Leonard, até mesmo a mãe dele ficou mais interessante que ele e suas reclamações de sua vida nerd. Raj e Howard foram aproveitados bem durante as cenas que apareceram e Sheldon continua roubando a cena de todos. Penny nem comento, pois as cenas dela chorando nas escadas foram muito ruinzinhas, mas dela no sofá bêbada com Leonard foi ótima.

Abraços e até o próximo episódio comentado.

Dan Artimos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seus comentários são sempre bem-vindos, pois assim podemos trocar conhecimentos e discutir sobre o episódios. Além disso, sua opinião é importante para continuarmos melhorando.


Equipe Episódios Comentados.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...